Crea-SP realizou evento sobre cidades inteligentes em Avaré

Até 2050, as cidades devem abrigar 70% da população mundial, conforme previsão da Organização das Nações Unidas (ONU). Com o crescente deslocamento para as áreas urbanas, é necessária a elaboração de projetos que garantam qualidade de vida aos cidadãos. É aí que entra o conceito de cidades inteligentes que, com o apoio da tecnologia, busca criar espaços mais humanos e sustentáveis. Para avançar na capacitação dos profissionais da área tecnológica a atuarem como facilitadores desse processo em todo o Estado, o Crea-SP promoveu, no final de janeiro, palestras e oficinas sobre o tema durante o Colégio Regional de Inspetores em Avaré.O presidente do Conselho, Eng. Vinicius Marchese, destacou que o objetivo é mapear os desafios dos municípios dentro dos indicadores do conceito de cidades inteligentes. “Onze regiões já receberam o Colégio Regional de Inspetores. Em breve teremos um compilado dos problemas, com propostas e sugestões de solução para os projetos a serem realizados por profissionais habilitados. Este é o ecossistema que estamos criando.”

Prestigiando o evento, o presidente do Confea, Eng. Joel Krüger, ressaltou o modelo inovador do Crea-SP para fomentar o debate sobre cidades inteligentes. “Este é um momento muito rico porque não estamos discutindo apenas questões internas. Estamos envolvendo toda a nossa governança para debater problemas da sociedade. Nosso objetivo, com isso, é ajudar a desenvolver cidades melhores para a população, com mais qualidade de vida, mobilidade e tecnologia”, disse.

Também participaram do encontro o superintendente de Colegiados do Crea-SP, Eng. Gumercindo Ferreira da Silva, a superintendente de Fiscalização do Conselho, Eng. Maria Edith dos Santos, o presidente da Associação Regional dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Avaré (AREA), Eng. Emanuel Castilho, o diretor geral da Mútua, Eng. Renato Archanjo, e o inspetor chefe da Comissão Auxiliar de Fiscalização (CAF), Pedro Paulo Furlan.

Balanço de fiscalização

Com participação de duas regiões do Crea-SP, o Colégio também teve como foco o fortalecimento da fiscalização do exercício profissional. Na solenidade de abertura, a agente fiscal do Conselho, Daniele de Morais, apresentou o resultado das forças-tarefas das GREs 8 e 11 (Gerências Regionais), que realizaram 23.486 e 27.445 ações de fiscalização, respectivamente.

A superintendente de Fiscalização do Crea-SP comemorou os números alcançados. “Foram mais de 50 mil ações de fiscalização efetivadas nessas duas regiões em 2021, o que demonstra como o Conselho tem intensificado a sua atuação, especialmente quando consideramos as mudanças implementadas a partir de 2015, ano em que registramos apenas 29 mil ações fiscalizatórias em todo o Estado”, ponderou Edith.

De 2015 a 2021, houve incremento de 900% na fiscalização do Crea-SP, sendo que no último período foi conquistada a marca histórica de mais de 291 mil ações de fiscalização em todo o ano passado.

Transformação do Conselho

Em sua contínua transformação, o Crea-SP, além de fortalecer a fiscalização, tem acelerado a implementação de soluções digitais, caso dos processos internos que estão sendo 100% digitalizados. Marchese acrescentou que o Conselho caminha para um futuro sem o uso de papel.

O superintendente de Colegiados, Eng. Gumercindo Ferreira da Silva, apontou que foi preciso acelerar a adaptação dos procedimentos após a pandemia de coronavírus e que as associações foram essenciais para acolher os profissionais, disponibilizando palestras e cursos on-line, contribuindo com a formação das profissões.

O presidente do Crea-SP adiantou o compromisso de democratizar o acesso ao Conselho, especialmente no que tange à capacitação dos profissionais. “Todos nós fomos para o ambiente remoto e nos adaptamos. Com isso, entendemos que palestras e cursos devem ser disponibilizados para todos os profissionais, independentemente de sua localização”, complementou.

Cidades inteligentes no Crea-SP

Em formato interativo, a palestra e oficina da doutora em Engenharia e Planejamentos Urbanos, Eng. Iara Negreiros, provocou a reflexão sobre o conceito de cidades inteligentes no segundo dia do Colégio Regional de Inspetores. Afinal, o que torna uma cidade inteligente? Com essa pergunta em mente, os participantes compartilharam suas respostas e perguntas sobre projetos que podem contribuir com a construção de lugares sustentáveis com mais qualidade de vida à população.

As informações coletadas e propostas apresentadas comporão o diagnóstico para cidades inteligentes, organizado pelo Crea-SP, e disponibilizado para os governos estadual e municipais após a conclusão do Colégio de Inspetores. A última edição dos encontros regionais foi em Araçatuba no início de fevereiro.

Fonte: Crea-SP

Notícias Relacionadas

Deixar uma resposta