Sorocabanos esquecem de tomar reforço contra Covid

A quarta e a terceira doses da vacina contra a Covid-19 atualmente são as que mais os sorocabanos estão deixando de tomar ou tomando atrasadas. Segundo dados da Prefeitura de Sorocaba, até o momento, foram feitas somente 183.509 aplicações da quarta dose — 26,6% do público alvo — e 409.739 da terceira (59,6%). Ou seja, 73,4% não tomaram a quarta dose e 40,4% não compareceram às unidades de saúde para a terceira. Os números são bastante inferiores em relação ao total de aplicações feitas na cidade de primeira (96,8%) e da segunda (87,6%) doses.

A baixa procura pelas doses de reforço preocupa os especialistas em saúde por conta da subvariante Ômicron BQ.1 e outras variantes, que estão sendo apontadas pela atual alta nos casos de Covid-19. Por isso, a importância da vacinação e de as pessoas estarem com as doses de reforço em dia. Em Sorocaba, nos últimos dias houve até um aumento na procura pelas doses, sobretudo das pessoas que estão com a vacina contra a Covid-19 atrasada. Um morador disse que tinha procurado pela vacina na Unidade Básica de Saúde (UBS) Márcia Mendes, no Jardim Vera Cruz, e foi informado que não havia.

Já na UBS da Vila Hortência, quem chegou após às 14h40 não encontrou mais doses da vacina contra a Covid-19 disponíveis. Foi o que relatou Maximiliano Aleixo Mendes, de 49 anos. Ele estava com as doses de reforço atrasadas e tomou ainda a terceira contra a doença. Ele disse que a esposa também ia tomar, mas já não tinha mais senha disponíveis naquela unidade. “Por falta de tempo e por conta do trabalho, eu atuo com caminhão e viajo, deixei passar os quatro meses e atrasou. Acho que a vacinação é muito importante para proteger da Covid-19”, disse.

O empresário Anderson da Silva Paula, 50 anos, estava com a quarta dose atrasada e foi em busca da imunização também na UBS da Vila Hortência. “Acabei atrasando e passou um pouco dos quatro meses depois da terceira dose. Aproveitei a folga do trabalho e vim atualizar minha vacinação contra a Covid-19. É importante ter esse compromisso e tomar todas as doses recomendadas”, afirmam.

Doses iniciais

A primeira e a segunda doses da vacina contra a Covid-19 tiveram mais adesão do sorocabano, principalmente quando a pandemia da Covid-19 estava mais intensa em todo o País. De acordo com dados da Prefeitura de Sorocaba, foram aplicadas 665.511 unidades da primeira dose, o que representa 96,8% da cobertura vacinal. Já de segunda dose, foram aplicadas 602.810 (87,6%). No total geral, Sorocaba já aplicou 1.886.564 doses das vacinas disponíveis contra a Covid-19. A quinta dose, por enquanto, é aplicada somente em imunossuprimidos e o total é de 1.172 aplicações até o momento.

A Prefeitura informou que a campanha de vacinação contra a Covid-19 no município supera a média nacional em todas as doses. Em resposta a questionamento do Cruzeiro do Sul, a Secretaria de Comunicação (Secom) destacou que as campanhas de orientação foram mantidas para que os índices sejam os mais altos possíveis. “A Secretaria da Saúde (SES) informa que há todas as vacinas nas 33 UBSs, inclusive nas unidades mencionadas. Os munícipes citados foram vacinados”, garantiu, acrescentando, que “todos os imunizantes dos diferentes fabricantes são aprovados contra o vírus, portanto, não há necessidade de escolha do fabricante”.

A vacinação contra a doença está disponível em Sorocaba nas 33 UBSs, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, para crianças (a partir de três anos), adolescentes e adultos. É preciso apresentação de RG, CPF e comprovante de dose já recebida. Pessoas com alto grau de imunossupressão devem apresentar também laudo médico.

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) defende o incremento da vacinação, a volta do uso de máscaras e outras medidas para evitar que o cenário atual de alta nos casos de Covid-19 traga um possível aumento de internações, superlotação nos hospitais e mais mortes no futuro. A entidade divulgou nota técnica de alerta, na última sexta-feira (14), elaborada por seu Comitê Científico de Covid-19 e Infecções Respiratórias e assinada pelo presidente da SBI, Alberto Chebabo. O primeiro ponto levantado pela sociedade científica é que é preciso incrementar as taxas de vacinação contra a Covid-19, principalmente nas diferentes doses de reforço. A SBI avalia que as coberturas se encontram, todas, em níveis ainda insatisfatórios nos públicos-alvo.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Notícias Relacionadas

Deixar uma resposta