USP é a oitava universidade mais sustentável do mundo

Pela primeira vez, uma universidade brasileira ocupa a oitava posição no ranking – e a melhor da América Latina – segundo o UI GreenMetric World University Ranking 2023, divulgado nesta terça-feira, dia 5 de dezembro, durante a 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que está sendo realizada em Dubai, nos Emirados Árabes. GreenMetric é uma rede global que reúne universidades de todo o mundo no desenvolvimento de projetos voltados à sustentabilidade ambiental nos próprios campi, na educação e pesquisas relacionadas ao tema e em ações promovidas junto à comunidade.

A USP subiu duas posições em relação ao ranking anterior. Nesta edição, das sete primeiras classificadas, seis são universidades europeias e uma é norte-americana. Os critérios de avaliação no ranking incluem a coleta de informações básicas sobre o tamanho da universidade e seu perfil de zoneamento, se urbano, suburbano ou rural; o grau de espaço verde, o consumo de eletricidade em relação à pegada de carbono; transporte, uso de água, gestão de resíduos, infraestrutura de configuração, energia e mudanças climáticas e programas de educação e pesquisa, políticas, ações e comunicação na área de sustentabilidade ambiental.

Nas primeiras posições estão a Universidade de Wageningen (Holanda), a Universidade Nottingham Trent (Reino Unido) e a Umwelt-Campus Birkenfeld (Alemanha). Entre as latino-americanas, depois da USP aparecem a Universidad Autónoma de Nuevo León (México), na 16ª posição, e a Universidad del Rosario (Colômbia), na 32ª. A Universidade Federal de Lavras (Ufla) é a segunda brasileira mais bem posicionada, na 40ª posição.

A superintendente de Gestão Ambiental da USP, Patricia Faga Iglecias Lemos, comemora o resultado uma vez que este é um ranking que leva em conta muitos fatores e avançar uma posição faz toda a diferença. ”Quanto mais perto do primeiro lugar chegamos, mais difícil fica, pois o ranking leva em conta desde o uso de energia, até recursos naturais, educação e pesquisa. Por isso, a equipe da SGA fez um esforço muito grande de planejamento e acompanhamento de ações, buscando avançar no ranking”, considera.

A professora destaca, também, o trabalho conjunto entre professores, funcionários e alunos, além do apoio da atual gestão da Reitoria para a USP ser realmente mais sustentável.

A presidente do UI GreenMetric World University Rankings, Riri Fitri Sari, entrega a premiação para a representante da Superintendência de Gestão Ambiental da USP, Fernanda da Rocha Brando Fernandez. No telão, a professora Patricia Iglecias – Foto: Divulgação

GreenMetric

O UI GreenMetric World University Ranking foi criado pela Universidade da Indonésia (UI), em 2010. Na edição de 2023, 1.183 instituições foram avaliadas, de 85 países. A USP obteve 9.425 pontos dos 10 mil possíveis. Para o professor Tadeu Fabricio Malheiros, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), membro da SGA e responsável pelo preenchimento dos formulários do GreenMetric, a questão da sustentabilidade na USP já vem sendo implementada há muitos anos e dá como exemplo o USP Recicla, que tem mais de uma década. “A diversidade entre os campi e os contextos específicos de cada um permitem a possibilidade de experimentar ações bastante diversas e com o engajamento da comunidade como um todo, o que fortalece os indicadores e reflete a maturidade da Universidade nesse contexto”, afirma.

GreenMetric World University Ranking 2023

UNIVERSIDADE PAÍS
1. Universidade de Wageningen Holanda
2. Universidade Nottingham Trent Reino Unido
3. Umwelt-Campus Birkenfeld – Universidade de Ciências Sociais Aplicadas Trier Alemanha
4. Universidade Groningen Holanda
5. Universidade da Califórnia, Davis Estados Unidos
6. Universidade College Cork Irlanda
7. Universidade de Nottingham Reino Unido
8. Universidade de São Paulo Brasil
9. Universidade de Connecticut Estados Unidos
10. Universidade Bremen Alemanha

Critérios para criar o ranking mundial de universidades

Relação entre áreas abertas em relação à área total, área de floresta, área de vegetação plantada, área para absorção de água, total de área aberta dividida pela população total do campus, orçamento da universidade para ações de sustentabilidade

Energia e mudanças climáticas

Uso de aparelhos com melhor eficiência energética, implementação do smart building, número de fontes de energia renovável no campus, uso total de eletricidade dividido pela população total do campus, proporção de energia renovável produzida em relação ao uso anual, implementação de elementos de “construção verde”, programa de redução de emissão de gases de efeito estufa, relação da pegada de carbono total dividida pela população do campus

Resíduos

Programas de reciclagem de resíduos e de redução do uso de papel e de plástico, tratamento de resíduos orgânicos e inorgânicos, manipulação de resíduos tóxicos, coleta de esgoto

Água

Programas de conservação e reúso de água, uso eficiente de aparelhos hidráulicos e água tratada

Transporte

Relação entre o total de veículos (carros e motos) dividido pela população do campus, serviços de transporte, política para veículos de emissão zero e número destes veículos em relação à população do campus, relação entre as áreas de estacionamento e a área total, programa para limitar ou reduzir as áreas de estacionamento nos últimos três anos, número de iniciativas para diminuir a quantidade de veículos particulares no campus e política para pedestres.

Educação

A proporção de cursos voltados à sustentabilidade em relação ao total de cursos, relação entre o orçamento destinado à pesquisa em sustentabilidade em relação ao total, publicações, eventos, relatórios, websites e organizações estudantis na área de sustentabilidade
Fonte: UI GreenMetric World University Rankings

Ranking QS

A consultoria britânica Quacquarelli Symonds (QS) também divulgou hoje, dia 5 de dezembro, a classificação das instituições de ensino superior em relação às questões de sustentabilidade. Nesse ranking, que está em sua segunda edição, a USP ficou na 67ª posição entre 1.403 universidades avaliadas em todo o mundo. No ano passado, a USP ocupou a 34ª posição mundial.

O país com mais instituições classificadas são os Estados Unidos, com 210 universidades, seguido pelo Reino Unido, com 93, e a China, com 92.  Entre as universidades latino-americanas, as três mais bem colocadas são a USP (67ª posição), a Universidade Nacional Autônoma do México (136ª) e a Universidade dos Andes (155ª). Ao todo, 34 universidades brasileiras entraram na lista. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aparece na 237ª posição e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, na 270ª.

O ranking QS Sustentabilidade considerou o desempenho das instituições em três grupos de indicadores: os de impacto social (empregabilidade dos estudantes, igualdade social e de gênero, qualidade de vida, impacto na área da educação e transferência de conhecimento); os de impacto ambiental (inserção de temas relacionados à sustentabilidade no ensino, comprometimento ambiental da instituição e pesquisas na área de sustentabilidade) e os relacionados à governança.

Fonte: Jornal da USP

Notícias Relacionadas

Deixar uma resposta