A cratera do professor

Na lua, existe uma cratera com 53 km de diâmetro denominada “Cratera De Moraes”. Essa designação decorreu de uma homenagem da comunidade astronômica internacional ao professor Abrahão de Moraes, que morreu com apenas 53 anos. Não sei se a escolha da cratera foi numericamente proposital. Só sei que eu tinha muita simpatia por ele.
Foi nosso professor de Cálculo Diferencial e Integral no primeiro ano de faculdade, quando cursei Engenharia na Escola Politécnica da USP. Ele era um cara meio atabalhoado, simpático e portador de forte personalidade. Uma vez, ele pegou um cara colando e promoveu em sua casa uma espécie de julgamento do infrator. Não sei detalhes; talvez haja muito de lenda sobre esse fato. Bonachão que era, ele absolveu o réu ao perceber que o rapaz era muito inteligente.
Noutra ocasião, ele, concluindo que um aluno cearense estudara mais do que o necessário para entrar na Poli, dispensou o rapaz das aulas e convidou-o para assessorá-lo num curso do Instituto de Matemática e Estatística da USP.
Em São Paulo também existe uma homenagem ao ilustre professor. A via que dá continuidade à rodovia dos Imigrantes chama-se Avenida Professor Abrahão de Moraes, às vezes em grafia alterada para Abrão de Morais. Avenida cujo pavimento, ironicamente, vive cheio de crateras.
O professor Abrahão, dentre outras coisas, dedicou-se a elaborar uma teoria do movimento dos satélites artificiais da Terra. Essa teoria, publicada pela Academia Brasileira de Ciências, contém o cálculo das principais perturbações orbitais devidas ao achatamento da Terra. Ele presidiu o Grupo de Organização da Comissão Nacional de Atividades Espaciais e também recebeu diversas homenagens por sua atuação pelo desenvolvimento da Astronomia e das Ciências Espaciais no Brasil: as “Palmes Académiques” da França, o diploma da National Science Foundation dos Estados Unidos e a Ordem do Mérito Aeronáutico do Brasil.
Não era fácil acompanhar as aulas do professor Abrahão. Ele fumava sem parar e escrevia na lousa de forma alucinada, muitas vezes valendo-se da manga do avental como apagador. E, entre baforadas de fumaça, falava muito rápido. Às vezes, para nós – simples mortais – parecia que ele dizia coisas em aramaico e escrevia simultaneamente em sânscrito, ou vice-versa.
Volta e meia ele era convocado para ir aos Estados Unidos. O mestre foi consultor da NASA no projeto que culminou com a chegada do homem à Lua. Às vezes, depois de um recado de um bedel, ele parava a aula e, num carrão de gringos, sem tirar o avental todo amarelado de giz, partia para o aeroporto. O bom é que para os alunos sobrevinham períodos um pouco mais amenos. Os assistentes assumiam e as coisas ficavam mais terrenas.
Terrenas em parte. Lembro-me do professor Trajano, um jovem que se esmerava para dar boas aulas, enfatizando a importância dos livros recomendados. Estudávamos em livros russos vertidos, na época, para alguns idiomas, exceto para o português. Eu comprei, por ser mais barato, o famoso Piskunov na versão francesa. Foram-me de enorme valia as aulas do querido professor de francês – Victor Stroka – dos tempos de ginásio. Ele foi o paraninfo da nossa turma, a de 61 – há, mon Dieu, cinquenta anos.
Pois é, como falei anteriormente: livros russos. Além do Piskunov, tínhamos o livro de exercícios do Demidovitch e o de Mecânica Racional do Targ. A despeito da guerra fria e da ditadura, mantínhamos intrigantes relacionamentos com esses russos. Quando comecei este papo, pensava em fazer uma síntese mais elaborada de um artigo que já escrevi sobre a briga entre Newton e Leibniz pela primazia da invenção do Cálculo Diferencial e Integral. Fica para uma outra vez.
Este espaço é pouco para falar desses gênios e da beleza de suas invenções. Este texto fica valendo como uma singela homenagem aos professores citados. Em especial, ao genial professor Abrahão de Moraes, que nasceu em Itapecerica da Serra, no dia 17 de novembro de 1917, e faleceu em São Paulo, no dia 11 de dezembro de 1970. Ele viveu numa espécie de mundo da lua matemático, abrindo crateras em busca de conhecimento.

 

Adalberto Nascimento
(⭐6/6/1946 | ➕1/7/2019)

Engenheiro civil graduado pela Poli-USP (1972), pós-graduado na área de Transportes, atuou como engenheiro, consultor e professor universitário.
Foi o associado n.º 1 da AEASMS, servidor municipal de carreira, ex-secretário de Edificações e Urbanismo (1983/88), de Transportes e presidente da Urbes (1993/96).
Escritor, autor de livros de crônicas e curiosidades matemáticas e membro da Academia Sorocabana de Letras. Além de publicados pelo jornal Cruzeiro do Sul, entre outros veículos, seus artigos ilustraram e continuam ilustrando o conteúdo deste site “Coluna do Dal e Desafio do Prof.º Dal”.

Notícias Relacionadas

Deixar uma resposta