“Árvores solares” do futuro podem ser a solução para recarregar veículos elétricos

Árvores de metal com uma copa de sete metros de painéis solares que geram eletricidade podem em breve chegar a estacionamentos e shoppings no Reino Unido. As estruturas, que vão captar a energia do sol por meio de “folhas” nanofotovoltaicas e poderão armazená-la em uma bateria colocada no tronco da árvore, foram projetadas pela startup britânica SolarBotanic Trees como fonte de energia para recarregar veículos elétricos.
A empresa concluiu recentemente um protótipo em meia escala do dispositivo e agora pretende construir e testar uma versão em tamanho real, antes de iniciar a produção comercial no final do ano. No Reino Unido, a infraestrutura de carregamento de veículos elétricos está crescendo rapidamente, com mais de 40 mil pontos de carregamento públicos instalados até o final de abril de 2023, um aumento de 37% em relação ao ano anterior, de acordo com o ZapMap, um serviço de mapeamento de veículos elétricos.

Mas isso ainda não acompanha a demanda, com o Comitê de Mudanças Climáticas do Reino Unido estimando que 325 mil pontos de carregamento serão necessários até 2032 para apoiar a crescente frota elétrica. “Há um enorme déficit de infraestrutura (de carregamento) neste país, por isso estamos procurando trabalhar lado a lado com os fornecedores de infraestrutura para veículos elétricos”, diz Chris Shelley, CEO da SolarBotanic Trees.

Ele acrescenta que a empresa já recebeu seu primeiro pedido de 200 árvores do Raw Charging Group, um fornecedor de infraestrutura de carregamento de veículos elétricos, que planeja incorporar as árvores como parte de sua rede de locais de carregamento implantados no Reino Unido e na Europa.

Várias empresas já oferecem garagens movidas a energia solar, que se estendem sobre vagas de estacionamento e parecem um ponto de ônibus coberto com painéis solares, mas faltam soluções esteticamente agradáveis, diz Shelley. As árvores solares, cujos modelos já foram apresentados no empreendimento Gardens by the Bay de Singapura e, mais recentemente, no Pavilhão de Sustentabilidade da Expo 2020 em Dubai, podem oferecer exatamente isso, diz ele.

A SolarBotanic Trees fez parceria com a RAW Charging para fornecer árvores de marca compartilhada (mostrada aqui em uma renderização) como parte de uma rede de locais de carregamento de veículos elétricos / Divulgação/RAW Charging

Mas enquanto as 18 árvores energéticas de Dubai são coletivamente cobertas por quase 4 mil metros quadrados de painéis solares e giram ao longo do dia para seguir o arco do sol, as árvores da SolarBotanic Trees – que terão cerca de 4,5 metros de altura – são mais eficientes em termos de espaço para que possam ser mais facilmente adicionadas a espaços públicos. Shelley diz que a copa solar fornece sombra e atrai simultaneamente hotéis de luxo, shoppings, sedes corporativas e parques empresariais que desejam um produto premium e visível que mostre suas credenciais ecológicas.

Carregando

As árvores SolarBotanic Trees devem custar entre £ 18 mil e £ 25 mil (cerca de R$ 112 mil a R$ 155,6 mil), consideravelmente mais do que uma fonte de painel solar convencional. Elas terão uma capacidade de geração de energia de cinco quilowatts, o que é típico para um ponto de carregamento padrão de acordo com a Energy Saving Trust (EST), uma organização do Reino Unido especializada em soluções de baixo carbono.

Com esta potência, levaria quase sete horas para carregar um carro com uma bateria de 50 kilowatts de 20% para 80%.“Esta velocidade do ponto de carregamento é mais adequada para quando um veículo está parado por um período mais longo”, diz Rachel Swiatek, gerente de programa de transporte da EST, acrescentando que  “existem muitos tipos diferentes de pontos de carregamento e saídas de energia no mercado e cada um é adequado para um tipo diferente de uso”.

As árvores de metal com uma copa de sete metros de painéis solares devem chegar a estacionamentos e shoppings no Reino Unido / SolarBotanic Trees Ltd

A startup também está procurando projetar uma versão menor e mais acessível, de 3,2 quilowatts, que Shelley diz que provavelmente custará entre £ 10 mil e £ 15 mil (R$ 62,2 mil a R$ 93,4 mil). Este modelo seria adequado para campi universitários, shopping centers, centros urbanos e outros locais e poderia ser usado para diversas aplicações, desde carregamento de smartphones e laptops até iluminação LED ou publicidade eletrônica.

Shelley observa que também está explorando a criação de uma solução de árvore solar para alimentar os hubs de carregamento de patinetes elétricos. Cada árvore será equipada com um sistema de armazenamento e gerenciamento de energia acionado por inteligência artificial que pode conectar várias árvores para formar microrredes locais ou pode conectar uma árvore à rede nacional, para que qualquer excesso de energia produzida possa ser realimentado na rede elétrica principal.

Isso também significa que a árvore pode continuar a carregar durante a noite, ou em dias escuros de inverno, quando não há luz solar, conectando-se à rede elétrica. No entanto, para reduzir a dependência da rede, a startup também planeja integrar um sistema de armazenamento de bateria no tronco da árvore, para que qualquer excesso de energia durante o dia possa ser armazenado para uso noturno.

A SolarBotanic Trees arrecadou £ 340 mil (mais de R$ 2,1 milhões) e pretende iniciar uma rodada de financiamento no final do ano, após os testes do protótipo em escala real. Até 2025, Shelley quer construir pelo menos 1 mil árvores por ano. A empresa construirá suas primeiras árvores no Reino Unido, diz Shelley, antes de se expandir pela Europa e América do Norte.

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/

Notícias Relacionadas

Deixar uma resposta